“Meu aluno não sabe pesquisar” – Que tal técnicas de orientação à pesquisa?

Recentemente, o governo implantou nas escolas do estado de SP – não sei se acontece em outros estados – algumas aulas para crianças que ficam em período integral na escola. Na verdade, acabei sabendo disso porque uma colega está com algumas dessas aulas e a parte dela é de “Orientação à Pesquisa”.

Algo que acho impressionante – não só nesse caso do estado de SP, pois também acontece em escolas particulares – é colocar uma aula e não ter material para fornecer mínimas condições de o professor fazer aquela aula.

Durante algum tempo em que fui Coordenadora de Área em escola particular, os diretores pediram sugestões aos coordenadores para novas aulas eletivas, que eram justamente essas aulas fora do horário, para alunos de integral. Mesmo não sendo de minha área, sugeri “Jogos de Tabuleiro”, pois realmente acho algo atrativo e desenvolve bem o aluno. Como eu havia sugerido, montei uma apostila e, de tempos em tempos, enviava aos professores que pegaram as aulas. Eu fazia isso porque compreendia perfeitamente que muitos professores não teriam condições de pesquisar e montar material eles mesmos. Pegar aulas aumentava a renda e diminuía  o tempo que tinham disponível para planejamento. Se eu deixasse somente com eles, eu imaginava que a aula poderia não dar certo a ideia. Felizmente, foi um grande sucesso e os alunos amaram.

Depois de alguns meses, um dos diretores descobriu que eu fornecia o material e eu achava óbvio que o fizesse. Ele achou a ideia incrível, pois assim as aulas seriam também iguais em todas as unidades da escola.

Contei toda essa história, pois essas aulas não têm material e estou tentando fazer algo por elas. Não seria bem mais fácil o governo também ter alguém para criar um material – pelo menos uma sugestão de material – para facilitar o trabalho do professor e ainda tornar sua proposta um sucesso?

Depois de muito pensar, imaginei que não há muito direcionamento e quando fazemos pesquisa, a primeira coisa que temos que pensar é “Onde devo procurar?” ou “Como devo procurar?”

Os alunos ainda não têm essas habilidades e é bem legal trabalharmos com elas. Além de ajudar nas pesquisas, tenho certeza de que deixará os alunos mais confiantes no estudo também.

No final, pensando nisso, achei que antes de sugerir qualquer pesquisa e com a aula sendo de “Orientação à Pesquisa”, seria legal ensinar tais habilidades de maneira bem prática.

Para começar, já terminei uma série de cartazes que deixam bem claro quais são os recursos que o aluno pode utilizar, de modo mais generalizado, e já comecei um pacote para trabalhar parte por parte os cartazes. Na verdade, haverá um pacote para os alunos menores, que ainda não são completamente alfabetizados – estou fazendo este – e outro para os maiores – a partir de terceiro ou quarto ano.

Pensei ainda que é uma ideia legal também para quem não dá essa aula, pois ajudar o aluno a aprender como estudar é sempre positivo, não é mesmo? Espero que goste da ideia. O pacote com os cartazes já está disponível no http://www.janainaspolidorio.com e segue o mesmo padrão do de Gêneros e Alfabeto de Personagens. Boa aula!

INTRODUÇÃO À PESQUISA – CARTAZES

ALFABETO DE PERSONAGENS – AMOSTRA

GENEROS TEXTUAIS – CARTAZES – AMOSTRA

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s